Imagine projetar um “restaurante sem paredes”, aconchegante, moderno e reservado. Esse foi o desafio da Carbondale na criação do Piselli Sud, inaugurado em 2015, no shopping Iguatemi Faria Lima. “Após meses de pesquisas, criamos um véu mágico de fios suspensos do chão ao teto composto de barras de latão polido sólido banhado de ouro que envolvem verticalmente o perímetro do restaurante com seis metros de pé direito”, explicou Juliana Cintra Prado, co-fundadora da Carbondale no Brasil.

Esse foi um dos cases de sucesso apresentados pela arquiteta durante a Comissão do Luxo, na CCIFB-SP. “A arquitetura do luxo para nós é customização. Desse modo, trabalhamos de forma estratégica três importantes etapas para qualquer projeto. São elas: pesquisa, desenvolvimento, protótipo e execução”, explicou. “A partir do resultado da pesquisa buscamos elementos que possam transformar e recriar os espaço contemplando as demandas solicitadas”, disse Juliana.

A transformação do restaurante Tre Biccheri foi outro case de destaque. Os três proprietários foram incorporados arquitetonicamente no espaço por uma série de treliças de madeira cumaru que envolvem o volume do interior para filtrar a luz natural direta e as vistas das áreas externas e de serviços. Uma vitrine de copos especialmente desenvolvidos que lembram o contorno do rosto de um dos sócios.

“É fundamental entender qual é o DNA do cliente. Entrevistar o fundador, os sócios, os colaboradores e os usuários “, disse Juliana. “Nossos projetos são de longo prazo, duram em media de três a quatro anos”, sinalizou. Outro ponto ressaltado pela arquiteta como uma preocupação principalmente do cliente brasileiro é o tipo de material que será utilizado no projeto. “Testamos a ideia várias vezes com diferentes materiais. Gosto de ressaltar que não é preciso utilizar materiais caros para ter uma projeto de luxo”, exemplificou Juliana.

Sobre os desafios do mercado de arquitetura do luxo para os próximos anos no Brasil e no mundo, a especialista ressaltou que os conceitos de inacessibilidade, raridade e a assinatura de criadores de obras únicas vão se perpetuar. “O desafios para todos os profissionais que trabalham no setor do luxo é entender profundamente as necessidades do cliente e entregar algo único e de qualidade”, concluiu Juliana.